Os limites da liberdade

A Bíblia é clara e compreensível, mas não é exaustiva. Ao longo da história da igreja os crentes em Cristo têm enfrentado inúmeros problemas naquilo que a Palavra de Deus é silenciosa. A lei do Antigo Testamento dá instruções detalhadas e restrições para a maioria das áreas da vida, todavia os crentes de hoje não estão vinculados à aliança de Deus com Israel; nós fomos libertos em Cristo. Mas como saber o que fazer com a nossa liberdade?

Durante minha vida notei que a igreja tem lutado com uma grande variedade de questões práticas sobre como os cristãos devem viver. Os crentes podem dançar? Podem fumar ou beber? Podem homens e mulheres nadar juntos? As mulheres podem usar maquiagem? As pessoas podem trabalhar aos domingos? As mulheres podem trabalhar fora? Os cristãos podem participar de filmes ou concertos? Eles podem assistir TV? Eles podem mandar seus filhos para escolas públicas ou mesmo privadas? Os cristãos podem jogar na loteria? Eles podem tatuar seus corpos?

Independentemente da questão, os crentes não devem confundir o silêncio das Escrituras como uma indiferença de Deus. A Bíblia pode não menciona especificamente filmes, TV, cerveja, ou muitos dos outros problemas que enfrentamos hoje, todavia, ela dá muitos princípios para nos ajudar a fazer o bem, escolhas que honram a Deus mesmo nas áreas obscuras da vida.

É necessário?

Quando confrontados com uma das muitas áreas obscuras da vida, uma das maneiras de determinarmos o que deveríamos fazer parte da pergunta: “Será que eu preciso disso? É essa coisa (um objeto, um passatempo, uma atividade, um entretenimento) um benefício para mim ou é excesso de bagagem?”

Hebreus 12.1 dá aos crentes em Jesus uma instrução: Livremos-nos de tudo que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos está proposta (NVI). A palavra grega que traduz atrapalha basicamente significa “massa, algo volumoso” e pode ser qualquer coisa que distraia seu foco ou sua energia para o trabalho que deve ser feito. Como povo de Deus, nós temos que correr a corrida que Ele prepara para nós com excelência. Nós não podemos fazer isso se estamos sobrecarregados, com interesses mundanos e distrações.

É proveitoso?

Em 1 Coríntios 6:12, Paulo escreve: “Tudo me é permitido”, mas nem tudo convém.  Muitos crentes têm usado a primeira metade da declaração de Paulo como uma licença para o exercício da sua liberdade, mas eles perdem o verdadeiro ponto da questão.

A pergunta nunca deve ser “O que eu estou autorizado a fazer?” mas “O que é proveitoso para eu fazer?” Sempre que confrontado com uma questão de liberdade cristã, cada crente precisa perguntar a si mesmo se o engajar nessa atividade irá edificá-lo a ser um melhor servo do Senhor. Será que ele vai ser um crente melhor? Se a resposta não for sim, então por que você deveria faria isso?

É algo que Cristo faria?

Esse terceiro princípio nos ajuda a ter um olhar abrangente para a forma de exercer a nossa liberdade. 1 João 2:.6 diz: aquele que afirma que permanece nEle [Cristo], deve andar como Ele andou. Como crentes, sabemos que nossas vidas ser como a de Jesus, incluindo os momentos obscuros da vida.

Quando se trata de tomar decisões difíceis sobre a forma de exercer a sua liberdade é sempre útil se perguntar: “É isso o que Cristo faria?” Uma análise honesta da questão sob essa perspectiva evita as ideias preconcebidas e os desejos pessoais, e ajuda a tomar decisões que honram a Deus, as quais refletem a pessoa e a obra de Cristo em todas as facetas da vida.

É um bom testemunho?

Outra pergunta importante é “Como isso vai melhorar o meu testemunho?” Colossenses 4: 5 diz: Sejam sábios no procedimento para com os de fora; aproveitem ao máximo todas as oportunidades (NVI). Em outras palavras, os crentes precisam considerar sabiamente como eles se comportam e como o seu comportamento afeta o seu testemunho. Como vivemos, especialmente nas áreas cinzentas da vida, formata a avaliação do mundo sobre nós, nossa fé e, por último, sobre o nosso Salvador.  O seu comportamento fortalece seu testemunho para o mundo afora? Será que o seu estilo de vida adornar o evangelho, ou é um obstáculo para ele?

É edificante?

Esta não é somente uma questão de como o exercício da sua liberdade impacta os outros. Você também deve considerar o impacto que terá em si próprio. Você precisa se perguntar com frequência: “Isso me edificará?” Em 1 Coríntios 10:23, Paulo amplia sua exortação anterior com estas palavras: “Tudo é permitido”, mas nem tudo edifica (NVI). Cada um de nós tem de se perguntar mesmos se fielmente, em cada atividade, seja entretenimento, lazer ou divesão, terá um efeito positivo ou negativo no nosso crescimento espiritual. Uma avaliação honesta de como poderíamos ganhar ou perder deve acompanhar todas as decisões que tomamos nas áreas obscuras.

É algo que glorifica a Deus?

Finalmente, precisamos nos perguntar regularmente: “Isso glorificará Cristo? De uma certa forma, o princípio da exaltação engloba todos os outros, perfurando até o elemento mais básico da vida cristã. Os crentes foram separados para glorificar a Deus e adorá-lO eternamente. Mas essas atividades não estão reservadas somente para o nosso tempo (eternidade) no céu. Elas devem descrever o padrão da nossas vidas no dia a dia. Esta vida não é (a respeito do) “nosso tempo” para fazer o que quisermos e gostaríamos. Como Paulo escreve em 1 Coríntios 10:31: Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus (NVI).

 

Por John MacArthur Jr.

www.todahelohim.com

Fonte: Grace to You

Posted on 5 de janeiro de 2015 in Artigo

Share the Story

Back to Top